APERTAR, PARA QUE?

APERTAR, PARA QUE?

postado em: Sem categoria | 0

A distância de que estamos das regatas, feliz ou infelizmente, persiste, entretanto, em manter a nossa curiosidade aguçada. Assim, a nossa pergunta está relacionada a um certo modismo de usar o estaiamento bastante apertado. Sim, qual a intenção? O objetivo? Algumas considerações podem colaborar nas respostas.

Até meados da década de trinta do século passado, a mastreação deveria ser rígida, reta, sem qualquer curvatura. Os mastros eram de madeira, robustos, pesadões. Também, embora raros, nos barcos de oceano havia mastros de ferro, uma forma de buscar leveza! Os mastros tinham uma seção de avantajados diâmetros, pois os brandais – estais laterais (sic) – saiam do mastro diretamente para a borda dos barcos, gerando um esforço de compressão sobre os mastros, requerendo a robustez.

A solução óbvia foi colocar uma cruzeta, que, assim, reduzia o esforço de compressão, mas criava um esforço lateral sobre o mastro. Compensando o esforço, foi criado um brandal inferior que, todavia, gerava uma nova compressão sobre o mastro da cruzeta para baixo. De qualquer forma, a compressão era de muito menor força comparativamente à situação anterior.

Uma inovação importante surgiria quando Walter von Huetschler, em meados da década de trinta do século passado, introduz o mastro flexível, isto é, com uma curvatura para ré tirava a barriga da vela grande, possibilitando transformar um perfil para ventos fracos em outro achatado para ventos mais fortes. Para se obter um mastro extremamente flexível, uma solução era reduzir o esforço de compressão provocado pelo brandal (estai lateral), ou seja, aumentar o seu grau com o mastro. Solução: aumentar a cruzeta que, assim sendo, ultrapassava a boca!

Em resumo, se apertamos excessivamente os brandais, estamos aumentando o esforço de compressão. Assim, quando o barco no contravento cai num cavado de onda, a compressão aumenta e, portanto, a possibilidade de fraturar o mastro.

Afinal, mas não finalmente, os brandais não devem ser arrochados em demasia – basta apertá-los até o ponto de uma suave tensão. Mas, se deseja arrochar os brandais, explique-me as vantagens, as razões...
Afinal, qual ou quais as vantagens de arrochar os brandais, sem qualquer referência aos estais?

A. L. Figueira Barbosa

Janeiro de 2015.

Deixe uma resposta